Inovação e religiosidade no Encontro de Jovens com Cristo (EJC)

Conteúdo do artigo principal

Emanuel Calebe Araújo Silva
Jardson Barrinha dos Santos
Joycelane Sousa do Nascimento

Resumo

Introdução. Neste artigo refletimos sobre a construção de sentidos que os jovens encontristas elaboram em torno de suas experiências no Encontro de Jovens com Cristo (EJC). Objetivo. O objetivo do estudo foi compreender como a produção de sentidos religiosos em jovens do EJC da paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (PNSPS) constrói um diálogo entre a tradição católica e a inovação da evangelização. Metodologia. Utilizou-se da abordagem etnográfica para acessar o cenário das relações as quais as juventudes que fazem parte do EJC criam possibilidades de tecer novas posturas, relações e sentidos sobre os fenômenos sociais, sobretudo, no espaço religioso. Resultados e Discussão. Buscamos demonstrar como o EJC dialoga com as famílias dos jovens encontristas iniciantes, além de construírem suas identidades a partir de diálogos entre a sociedade civil ampla e as suas vivências na religião. Considerações finais. Os jovens interlocutores reconheceram que fazem parte de um manancial de opções religiosas que determina a diversidade desse campo. A pesquisa apontou que as famílias são importantes para a vivência da religiosidade, à medida que, ilustram a formação religiosa desde a infância ou sua negativa. Por fim, os sentidos de inovação e renovação referem-se à distância entre a ação e a tradição católica.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
ARAÚJO SILVA, E. C.; SANTOS, J. B.; NASCIMENTO, J. S. Inovação e religiosidade no Encontro de Jovens com Cristo (EJC). Somma: Revista Científica do Instituto Federal do Piauí, Teresina, v. 10, p. 1–12 (e071024), 2024. DOI: 10.51361/somma.v10i1.220. Disponível em: https://revistas.ifpi.edu.br/index.php/somma/article/view/220. Acesso em: 20 abr. 2024.
Seção
Artigos

Referências

AZEVEDO, T. O catolicismo no Brasil: um campo para a pesquisa social. Salvador: Edufba, 2002.

BERGER, P. L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

CARDOSO, B. D. Religião, juventude e sexualidade: a recepção dos discursos papais no grupo de Oração semeador. 2017. 153 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás-UFG, Goiânia. 2017. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/items/df762c0b-8890-4ac6-98cc-3b2dde65bd3d/full. Acesso em: 23 jul. 2019.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venancio Majer. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CLIFFORD, J. Sobre a autoridade etnográfica. In: CLIFFORD, J. (ed.). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002. p. 17-62.

DIAS, V. M. P. W. Jovens da Renovação Carismática Católica em Belo Horizonte: Mãe da Igreja e Nossa Senhora Rainha. 2010. 138 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP, São Paulo. 2010. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/14961. Acesso em: 23 jul. 2019.

PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, v. 20, n. 42, p. 377-391, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-71832014000200015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/n8ypMvZZ3rJyG3j9QpMyJ9m/?lang=pt. Acesso em: 23 jul. 2019.

PEIRANO, M. A favor da etnografia. In: PEIRANO, M. (ed.). A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. p. 31-59.

SANCHIS, P. Catolicismo: unidade religiosa e pluralismo cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

SILVA, C.; SANTOS, A.; LICCIARDI, D.; PAIVA, V. Religiosidade, juventude e sexualidade: entre a autonomia e a rigidez. Psicologia em estudo, v. 13, n. 4, p. 683-692, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722008000400006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jul. 2019.

SOFIATI, F. M. Jovens em movimento: o processo de formação da Pastoral da Juventude do Brasil. 2004. 200 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos-UFSCa, São Carlos, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/1482?show=full. Acesso em: 23 jul. 2019.

STRATHERN, M. Os limites da autoantropologia. In: STRATHERN, M. (ed.). O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. p. 133-157.

VELHO, G. Observando o familiar. In: VELHO, G. (ed.). Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, 1987. p. 121-132.